Reuniões como ferramenta de partilha

Após um belo “welcome coffee”, todos em sôfrega confraternização, adentra-se o auditório, onde elas, as planilhas estatísticas, já estão a postos, imensamente projetadas em telas que parecem ainda mais brilhantes que o normal. Os sorrisos dão lugar ao silêncio; dois ou três dos mais altos cargos assumem as palavras iniciais, curtas (guardarão o pior, os comentários ácidos daquilo que não […]

Continue lendo

Por que líderes, gestores e chefes sucumbem: dois fatores que definem sucesso

Gestão, pública ou privada, é sempre, sim, bicho de sete cabeças. Àqueles que se predispõem a viver sob seu manto, antecipe-se: vive-se sob estresse, tensão. Por vezes (e não poucas), desequilibra o espírito. Consome o bem mais precioso e não renovável de todo ser vivente: o próprio tempo. Na constante busca de informações (menos por distração, alívio; mais na esperança […]

Continue lendo

“MEDIDA POR MEDIDA”, a quem exerce liderança, vida pública ou deseja, ao menos, sobreviver no mar do social

Título oriundo do quadrigentésimo primeiro verso da peça, no qual o principal pensador shakespeariano sentencia aquele a quem se subsumia a fé de que haveria gestor ético e reto na condução da coisa pública – e que se provou, tal a qualquer coletividade humana, avesso, mesmo numa Viena feudal (portanto e em tese, controlada e controladora) –, “Medida por medida” […]

Continue lendo

“Ilíada”, de Homero, pode ou deve ser lida pelo fragmentado homem contemporâneo?

Considerado o desenvolvimento histórico, diversos foram os saltos do conhecimento humano que o fizeram cada vez mais atomizado, dividido: na erupção do homo faber; na dicotomia do universalismo da sabedoria ocidental grega em jônica e eleática; na divisão das ciências durante a renascença; na necessidade de maior especialização durante a revolução industrial. É, pois, o conhecimento compartimentado pela sociologia, economia, […]

Continue lendo

Entre aves e sonhos

Manso, plainava sobre um merengue coberto de laranjais que encarapinhavam o terreno. Ave belíssima, era um destes régios gaviões – só não sabia distinguir se era gavião ou falcão; certo era que não tinha toda a majestade de uma águia – que seduz os olhos do passageiro de janela a acompanhá-lo do ônibus grávido de efêmeros habitantes. Soberano: seu bater […]

Continue lendo

Gigante adormecido

  Apenas lutava tornar externo, para que o que lhe ia à alma se expandisse além de si mesmo… de seu corpo. Sofria por não saber como. A sutiliza dos tons, odores, gostos e como tudo isto se imiscuía dentro de si, os prazeres que o vento ao rosto lhe permitiam ao ser beijado por este fantasma, enfim, tudo que […]

Continue lendo